imagem de capa

Party Hard na net

Por Julio Teodoro

O entretenimento sempre fez parte da vida social do homem, sendo utilizado como forma de descontração e relaxamento, chegando ate a ser ferramenta de manipulação das massas, explicito na categórica “panis et circences” (pão e circo) utilizada desde a Roma antiga. Assim, geralmente temos essa oposição entre trabalho e entretenimento: um sendo considerado “chato” e obrigatório e outro como beirando a vadiagem em visões mais criticas. Porém assistimos a uma ascensão do entretenimento, já que sua importância para o bem-estar das pessoas se tornou bem mais visível, não sendo só uma forma de passar o tempo, mas de diminuir o stress e fazer as pessoas mais felizes.

Com a chegada da internet e da cultura digital, o espaço de trabalho se reconfigurou, assimilando as novas tecnologias. Com a proliferação das novas mídias para a sociedade, facilitou o contato do usuário com elas, a qualquer momento pode-se conectar caso tenha a tecnologia necessária a disposição. Estar exposto a essa grande quantidade de informação, faz com que o usuário tenha ânsia de produzi-lo. Isso faz com que os grandes meios de comunicação se adaptem para receber este conteúdo, mídias como gravadoras e emissoras de TV e rádio, buscam alternativas nestas produções para o futuro, contratando os usuários mais populares ou que produzam conteúdo mais próximo do perfil profissional.

Assim, nos ambientes de trabalho, reconfigurados com a presença do computador, todo o ambiente virtual está disponível em um clique: desde pesquisas e referências que venham engrandecer o trabalho até redes sociais que podem distrair as pessoas, jogos online, vídeos, e uma infinidade de informações que podem fazer o indivíduo protelar o trabalho, aproveitando do entretenimento online. o procrastinar online virou praticamente uma regra, todo mundo já o fez, adiando atividades para aproveitar o lazer na internet, seja ele em redes sociais, jogos, fóruns, inúmeros outros ambientes. Isso geralmente ocorre devido a uma visão negativa da atividade a qual se está protelando, em troca do prazer que o entretenimento traz.

Segundo Joel Conceição, “Umas das razões que leva a procrastinar é esperar até que sinta motivação ou força para agir, ou mesmo esperar que sinta bem para agir. É normal que as pessoas procrastinem até um certo ponto, pode sim torna-se um problema quando impede o funcionamento normal das ações por parte do indivíduo.” Isso pode ser resumido de forma ilustrada no video abaixo:

Porem não podemos apenas mostrar o lado negativo da procrastinação. Assim sendo, pesquisas vem falar dos benefícios de se protelar decisões, como a de Warrem Buffet que diz que protelar decisões por algum tempo pode ser benéfico, pois as ideias podem se desenvolver melhor, se cristalizando em ideias melhores e inovadoras. Só é preciso ter consciência do momento certo onde o procrastinar começa a ficar perigoso devido a prazos. o trabalho sobre pressão e prazos curtos podem gerar mais stress, prejudicando o indivíduo.

Este texto foi feito por Julio Teodoro e Leonardo Prado e finalizado ontem, 03 de setembro, passando um pouco depois do prazo dado pra terminar esse texto para o envio. Haha é claro que com um pouco de vadiagem procrastinação ao longo da produção!

Outros posts da série

Julio Teodoro

Julio Teodoro

19 anos, estudante de design gráfico pela UTFPR 5º período, apaixonado pelo design e tudo o que ele traz.

Conteúdo relacionado

Comentários