Para quem por um acaso não conheça, uma máquina de escrever.

Teclados pra que te quero

Por Thiago Grossmann

O atual layout das teclas dos computadores descendem das mamães da escrita rápida, as máquinas de escrever. Bom, isso é uma associação lógica pensando que os dois servem para escrever.

Mas porque  diabos as letras estão distribuídas dessa forma e não, sei-lá, na ordem alfabética?

Na realidade, as primeiríssimas máquinas tinham suas teclas em ordem alfabética, mas com o uso alguns problemas começaram a aparecer. Pelo fato das vogais serem próximas , as barras as quais os tipos eram presos acabavam enroscando, no momento que iam bater no papel.

A solução creditada a Christopher Sholes and Glidden Typewriter foi separar as letras que eram mais usadas no vocabulário inglês e as colocar em posição opostas, evitando que as barras com tipos se prendessem por terem sido apertadas rapidamente, criando o modelo QWERTY.

Remington No. 2, de 1878, responsável pela popularização do formato QWERTY em máquinas de escrever

Os teclados atuais usam esse formato até hoje apenas por convenção, pois ele não é o único tipo de teclado. Na década de 30 (1930) August Dvorak, psicólogo e professor da Universidade de Washington, enquanto orientador de um trabalho de diplomação cujo o tema era erros de digitação, começou a estudar o atual modelo de teclado e chegou a conclusão de que muitos dos erros provinham da forma que as teclas eram dispostas, ou seja o formato QWERTY. Junto com o professor William Dealey, Faculdade do norte do Texas, formularam o modelo Dvorak, cujos objetivos são diminuir os erros não mecânicos, e aumentar a velocidade de digitação.

O design das teclas Dvorak consiste em as letras mais utilizadas estarem na fila do meio enquanto as combinações mais comuns estão em inclinações diretas dessas. É estimado que um digitador que trabalha 8 horas em um teclado QWERTY viaja com as mão aproximadamente 25 quilômetros, enquanto um digitador Dvorak apenas 2 quilômetros .

comparação entre um teclado QWERTY e um Dvorak


Exemplo de alguém usando Dvorak pra digitar 117 WPM (words per minute)

É importante dizer que os teclados Dvorak, somam menos de 1% dos teclados do mundo, e pouquíssimas empresas realmente produzem. Mas se você gostou da ideia de digitar mais que o dobro de palavras por minuto (cof-cof), o processo pode ser bem simples: para os usuarios de Windows, só colar uns papeizinhos no teclado e mudar o padrão do teclado no software mesmo. Para os Mac users aparentemente a Apple produziu teclados Dvorak até 2010, e a configuração também se dá pelo sistema.

A necessidade de novos padrões.

Existem ainda dois padrões que merecem ser comentados. A pedidos do Coronel Robert Allen, que perdeu um braço na segunda guerra mundial foram criados dois novos padrões pensando em pessoas que possuem apenas um braço para digitar: o Dvorak para mão direita e o Dvorak para mão esquerda. Após 10 semanas de uso, Robert Allen já conseguia digitar 56 palavras por minuto, o que já é mais que a maioria dos digitadores de duas mãos.

Layout Dvorak para mão direita e esquerda respectivamente

Curiosidades:

  • Na decada de 30 durante os testes do Layout Dvorak, notaram que os estudantes aprendiam cerca de 3 vezes mais rápidos Dvorak do que o layout QWERTY, mesmo assim as aulas de Dvorak foram fechadas.
  • Em 1937 Campeonatos de datilografia baniram o layout Dvorak das competições por considerarem uma disputa injusta com os usuários de QWERTY.
  • Algumas empresas separavam os layouts em salas diferentes, pois os usuários de QWERTY se diziam desconcentrados com o barulho feito pelos outros.
  • Se você quiser textar sua velocidade aqui tem um bom programa pra ver WPM(Words per minute) e erros.
  • Bárbara Blackburn entrou para o guiness como a digitadora mais rápida da lingua americana digitando aproximadamente 150 WPM chegando a picos de 212 WPM
  • Alguns outros teclados que usam como base a ergonomia.

Teclado ergonômico para uma mão, possui versão direita e esquerda

Teclado ergonômico estranho

Teclado ergonômico que realmente vale a pena


Thiago Grossmann

Thiago Grossmann

Estudante de Design Gráfico na UTFPR, membro fundador da Cliche. Nerd, inconformado, reclamão e um tanto quanto ranzinza.

Conteúdo relacionado

Comentários