cry-like-a-boy.jpg

Helena Cintra

Por Hugo Pizaia

Hoje vamos nos inspirar e saber um pouco mais sobre a mineira Helena Cintra, que possui em seu portfólio traços  pacificamente imersivos.

Qual sua metodologia de trabalho?

Faço a grande maioria das minhas ilustrações direto no computador, com tablet. Isso porque quando tenho uma ideia, gosto de registrá-la no momento, e o digital me permite fazer isso sem obstáculos de material, com muita liberdade e agilidade. Costumo fazer um sketch inicial definindo um pouco da forma do desenho, paleta de cores, iluminação. Faço uma busca de referências e aí começo a jogar a pintura e ir lapidando o desenho. É comum que a ilustra termine de um jeito bem diferente do que eu havia pensado no início. O desenvolvimento é a parte em que eu deixo rolar.

Qual são suas referências?

 

Músicais

Alguns dos meus preferidos são Tom Waits, Björk, Ladytron, CocoRosie, Fleet Foxes e Of Monsters and Men

Gráficas

Uma das minhas principais referências são editoriais de moda. Eles sempre me trazem muita inspiração de composições e personagens.Olho sites como o  http://moldavia.co/ e revistas.  Outro site que é ótima referência é o http://facity.com/.

Seria impossível listar todos, mas alguns artistas que me inspiram são João RuasSpunky ZoeSam WeberDavid Agenjo, Scott Keneddy . E também sujeitos mais ilustres como Toulouse Lautrec e Norman Rockwell.

Dicas (Tipos de papel, ferramentas e o que fazer e não fazer)

Uma dica é dar valor à todas as ideias. Muitas delas surgem em momentos em que não dá pra desenhar, então sempre anoto tudo pra não esquecer. Tenho sempre um banco dessas ideias, normalmente soltas, e imagens inspiradoras, onde eu vou ‘faço feira’ cada vez que vou ilustrar.

Toda ilustração começa feia, o negócio é não desistir dela.

No mais, observação, prática e paciência com o próprio trabalho. Toda ilustração começa feia, o negócio é não desistir dela.

*Você pode encontrar mais trabalhos de Helena Cintra no studentshow

 

Hugo Pizaia

Hugo Pizaia

Um dos gestores da Revista Cliche, estuda Design Gráfico na UTFPR e luta diariamente por uma Web mais simpática.

Conteúdo relacionado

Comentários