leovinci

Imitando a Vida

Por Yasmine M. Kato

Que a proporção áurea foi tirada da natureza todo mundo já sabe, mas e o velcro? Sabia que ele foi criado a partir da observação do formato dos carrapichos? E o edifício Eastgate lá do Zimbábue, já ouviu falar? Ele tem um sistema de ventilação inspirado em cupinzeiros. Pois é, esses e outros casos foram soluções encontradas observando-se a natureza; a isso se dá o nome de Biomimética (bios=vida mimesis=imitação), a ciência que estuda a velha Mãe Natureza em busca de respostas, soluções para a vida humana e seus produtos, arquitetura, etc.

Um grande nome dessa área é Janine Benyus, autora do livro Biomimética – Inovação Inspirada Pela Natureza lançado em 1997; um ano depois foi cofundadora de uma empresa de consultoria, a Biomimicry Guild e, em 2006, foi fundadora de uma instituição sem fins lucrativos, o Instituto de Biomimética. Lá se reúnem diversos profissionais e pesquisadores como designers, arquitetos, engenheiros e cientistas. O instituto também criou uma comunidade colaborativa online chamada AskNature onde os pesquisadores podem trocar informações. O portal Biomimicry 3.8 dá acesso aos links de todos esses projetos (http://biomimicry.net/).

A natureza possui uma singular inteligência, sabe ser “high tech” e gastar o mínimo de energia produzindo o máximo de efeito necessário, ou seja, gera desperdício mínimo ou nulo. E é por isso que a Biomimética tanto contribui para o desenvolvimento de tecnologias sustentáveis, pois se baseia nesses princípios. A própria Janine é sempre muito enfática ao falar sobre conviver bem com o planeta sem parar de desenvolver, “fazer o que fazem sem destruir o lugar que cuidará de seus descendentes”.

Para quem se interessou, há um documentário fascinante sobre o assunto chamado NatureTech. Ele é dividido em três partes: The Magic Of Motion, onde o foco é a invenção de máquinas e robôs baseada em estudos da biomimética; The Material World, que foca mais na criação de novos materiais e Life Power, que fala das formas de energia, como os insetos vão ajudar o homem a explorar Marte e o cupinzeiro fantástico que possibilitou a construção do edifício do qual falei lá no início.

Folha da Flor de Lótus

Folha da Flor de Lótus: possui protuberâncias que a torna autolimpante ao entrar em contato com a água. Utilizando o mesmo princípio, foi criada a tinta Lotusan que, aplicada em paredes externas, limpa-se com a chuva.

Edifício Eastgate

Esse é o interior do edifício Eastgate, que apresenta uma estrutura baseada na do cupinzeiro. Dessa forma, apesar de a temperatura externa poder variar dos 42°C para os 3°C à noite, a temperatura interna se mantém estável, economizando aí alguns milhões de dólares com ar condicionado.

Você já deve ter percebido que isso tem tudo a ver com design. Pesquisar, estudar, compreender, aplicar esse conhecimento de forma inusitada para gerar soluções novas para problemas antigos, e tudo isso de uma maneira mais gentil para com o meio ambiente. Quem nunca se descabelou com algum trabalho da faculdade porque a professora pediu para a turma desenvolver um projeto salvador da humanidade sem agredir terra, céu, água, fauna e flora? A biomimética pode ser uma boa resposta… para o trabalho, para o futuro

[Imagem da capa: Glider com asas de morcego – projeto de Leonardo da Vinci]

Yasmine M. Kato

Yasmine M. Kato

Yasmine Martins Kato é estudante de Design da UTFPR e membro da Empresa Júnior Estalo Design.

Conteúdo relacionado

Comentários