Destino

Por Wagner Regis

Excepcionalmente hoje, resolvi comentar sobre uma produção da gigante Walt Disney, mas isso se deve ao alicerce da produção. Não é apenas uma animação que envolva o tema de surrealismo dentro de um desenho animado, mas o principal diferencial nesse curta foi justamente a parceria entre esses dois mestres de suas respectivas áreas: (o próprio) Walt Disney e Salvador Dali.

Primeiramente, a produção é extremamente única! Poderia dizer apenas isso, mas comentarei um pouco mais… O que assistimos são diversos desenhos feitos por ambos, os quais são conduzidos pela canção folclórica mexicana de Armando Dominguez, “Destino”, e interpretada por Dora Luz. Apesar de ter sido lançado apenas em 2003, o curta-animado, teve seu início ao final da 2ª Guerra Mundial, por volta de 1946. Porém, devido a inúmeros problemas, acabou sendo engavetado.

Somente anos mais tarde, uma equipe de 25 profissionais – sob orientação de Gala Dalí e John Hench – deram continuidade, se baseando nos storyboards originais, e, então, finalizando a obra animada. Na narrativa acompanhamos a personificação do tempo na mitologia grega, Chronos, em uma busca do amor. Na época em que estavam produzido o curta, Dali dizia, durante as entrevistas cedidas, que era “Uma exposição mágica do problema da vida no labirinto do tempo”; já Walt Disney: “Somente uma simples estória sobre uma jovem garota em busca do verdadeiro amor”.

No Brasil, a obra faz parte dos extras do Blu-Ray “Fantasia 2000”, e é acompanhado de um breve documentário. É uma animação que até hoje não me canso de assistir e me fascinar, por saber que foram muitos desenhos originais da época aproveitados, o fato de serem manuais, as diversas referências das obras de Dali, assim como, qualidade tanto gráfica como de animação de Disney.

“Destino” foi premiado como Melhor Curta nos festivais de Melbourne (Austrália) e no Rhode Island Internacional (EUA), mostrando apenas que tais uniões vão muito mais do os olhos podem ver, e demonstrando que mesmo os maiores são humildes o suficiente para realizarem uma trajetória, um ao lado do outro, em prol de algo em comum.

Wagner Regis

Wagner Regis

Designer Gráfico por formação e Pós-Graduado em Jogos Digitais (UP). É co-fundador do estúdio de animação "Make Toons", professor na Universidade Positivo, e feliz por gostar do que faz.

Conteúdo relacionado

Comentários