CAPA

Vlisco

Por Bruna Bonifacio

Dias atrás, quando estava pesquisando para o artigo do Celso Lima em seu site, conheci a Vlisco. Uma marca de estamparia, existente desde 1846. E embora suas estampas pareçam ser produzidas na África, graças às suas cores, efeitos e motivos, a marca tem origem holandesa.

Vlisco, Nouvelle Histoire, 2011

Vlisco, Nouvelle Histoire, 2011

Vlisco, 2014, Q1 Hero

Vlisco, 2014, Q1 Hero

Os tecidos são produzidos baseados na técnica de batik indonésio, mas de uma forma mais automatizada. Pieter Fentener van Vlissingen, o fundador da empresa, percebeu que a técnica era incrível, porém muito artística, trabalhosa e cara, e viu aí uma demanda: criar tecidos similares de maneira fabril. Assim, poderia ampliar sua produção e exportação.

FIGURA 3

Vlisco, tresor brillant, 2011

Vlisco, tresor brillant, 2011

É claro que houve um período de resistência à marca pelos artesãos de batik de Java, pois era um processo que copiava com qualidade inferior, aquela tradição milenar da estamparia de sua cultura. Então, a Vlisco teve que procurar outros mercados que não a sua colônia, e assim, exportou tecidos para a África, colônias belgas, inglesas e alemãs.

Vlisco, 2014, Q1 Hero

Vlisco, 2014, Q1 Hero

FIGURA 6

Vlisco, tresor brillant, 2011

Vlisco, tresor brillant, 2011

Conforme ocorria a evolução do processo de estamparia, o alto custo das peças diminuía, e a impressão industrial em policromia surgia, essa imitação do batik javanês se tornou barata e extremamente disseminada por toda a África; reproduzindo suas padronagens nativas e oferecendo tecidos incrivelmente coloridos e imponentes, tecidos esses que ganharam o nome de Fancy Print.

Vlisco, 2014, Q1 Hero Fashion Looks

Vlisco, 2014, Q1 Hero Fashion Looks

Vlisco, 2014, Q1 Hero

Vlisco, 2014, Q1 Hero

Fancy Print foi a denominação dada pelos ingleses para tecidos com estampas consideradas exóticas, cujas inspirações são não-européias, inspirações orientais.

Hoje, esse tipo de tecido pode ser considerado o mais consumido na África, e uma das imagens, que nós, “leigos” e “estrangeiros”, temos das africanas. Imaginamos elas vestidas com tecidos densamente estampados e com cores vibrantes.

Vlisco, 2014, Q1 Hero, Fashion Looks

Vlisco, 2014, Q1 Hero, Fashion Looks

Vlisco, 2014, Q1 Hero, Fashion Looks

Vlisco, 2014, Q1 Hero, Fashion Looks

História e apropriação de tradições à parte, as produções da Vlisco são muito bonitas e influenciam não só a moda europeia, como a moda do mundo inteiro. Agora seus designers não se inspiram somente na África e em suas paisagens e tribos, mas também em tendências internacionais, padronagens geométricas islâmicas, música moderna e pop art. A marca diz que foram produzidos cerca de 350.000 projetos até hoje, e eu espero que sejam feitos muitos mais.

FIGURA 12

Vlisco, Dazzling Graphics, 2011

Vlisco, Dazzling Graphics, 2011

 

Referências

Bruna Bonifacio

Bruna Bonifacio

Sou Paulista, estou Curitibana. Formada em Design pela UTFPR. Completamente apaixonada por Design de Superfície (de todo tipo). Pesquiso estamparia, texturas, arte contemporânea, arte urbana e afins, sob o ponto de vista do Design de Superfície.

Conteúdo relacionado

Comentários