Captura de Tela 2014-08-30 às 15.14.18

Um cerne lo-fi

Por Isabela Fuchs

O nu é lindo em qualquer meio artístico. Brutal, escandaloso ou sutil, não importa – é bonito e delicado de qualquer maneira pois mostra uma faceta não revelada facilmente. Quando se fala em fotografia o negócio parte pra outra vertente: é mais escancarado mesmo, porque é feita pra seduzir sexualmente e não pra mostrar uma imponência e referencial de beleza com suas proporções maravilhosas como o Davi de Michelangelo, por exemplo.

O viés delicado do nu na fotografia é mais do que bonito, é realmente inspirador. Um deleite. Principalmente quando o nu em questão não é o estar pelada por estar pelada, pra mostrar seu corpo e dizer pro mundo como ele é bonito, mas mais um você sendo você mesmo, se entregando. O nu no caso não seria intencional, mas uma coisa bem natural. Não é a nudez que é escancarada, mas a pessoa, o seu cerne. Um nu não que te chama pro corpo, no intuito de desejá-lo, mas de simplesmente admirá-lo. É, aí sim bate um pouco com a nudez do Davi.

Tamara Lichtenstein faz isso: tira qualquer tipo de pudor que pode estar presente em quem vê suas fotografias, e mostra o nu como o estado mais puro da sensibilidade humana. Não são modelos da Victoria Secret que fazem parte das suas fotografias, mas meninas normais, bonitas como qualquer outra e de uma maneira totalmente lo-fi. Ah, e ela é uma daquelas pessoas que você tem raiva por ter mais ou menos a sua idade e ser infinitamente melhor que você. Ela tem vinte e quatro anos.

cliche-tamaracliche-tamara1cliche-tamara2cliche-tamara3

Não são apenas meninas peladas, mas um retrato extremamente cru e sensível de quem elas são.

Por um mundo com mais pessoas com um olhar como o de Tamara.

 

Isabela Fuchs

Isabela Fuchs

Estudante de Design na UTFPR. Apaixonada por História da Arte, mas também nutro paixões paralelas como Design Editorial, Design de Embalagens e Tipografia.

Conteúdo relacionado

Comentários