Her

Elas

Por Paula Cruz

Her é um filme que me deixou abalada. Não só porque é o mais novo trabalho de um dos meus diretores favoritos, nem  porque é de um roteiro de se aplaudir de pé. Mexeu comigo porque evidencia um tema assustadoramente atual: somos apaixonados pelas alavancas que criamos.

Vamos a uma sinopse rápida para os desavisados de plantão. Theodore (Joaquin Phoenix) é um escritor que se apaixona por um sistema operacional. Não só se apaixona, como também é correspondido por Samantha, que tem uma voz digna da Scarlett Johansson. Você pensaria que é uma loucura super trash, mas é uma fábula contemporânea poderosa.

Criamos máquinas porque nosso corpo é extremamente limitado. Elas são ferramentas que servem como simulações do corpo humano e que têm como função principal potencializar nossas capacidades. No começo, quando nossa espécie começou a criar alavancas e rodas, criávamos máquinas “estúpidas”, sem inteligência artificial. Estas são as máquinas pré industriais, feitas a partir de tentativa e erro, sem muita elaboração teórica prévia.

As máquinas industriais, por outro lado, são criadas a partir da teoria científica. Com o avanço da tecnologia, criamos ferramentas cada vez mais eficazes e, principalmente, mais inteligentes. Chegamos ao ponto de, inclusive, elaborarmos máquinas que contêm teorias do mundo orgânico. Os avanços em genética e nanotecnologia, por exemplo, poderão nos guiar para uma futura Revolução Industrial Biológica. Será a época em que uniremos a resistência do maquinário inorgânico com a inteligência do orgânico.

O trabalho do artistas performático Stelarc tem como tema principal a expansão da capacidade do corpo humano através de máquinas e tecnologia. Praticamente todas suas peças são centrada em como o corpo humano é obsoleto.

O trabalho do artista performático Stelarc tem como tema principal a expansão da capacidade do corpo humano através de máquinas e tecnologia. Praticamente todas suas peças são centradas em torno do conceito de como o corpo humano é obsoleto.

Samantha, o sistema operacional amante de Theodore, é uma mistura do orgânico com o inorgânico, com um quê de não-coisa. Sua voz e personalidade refletem-nos simpatia através de um reconhecimento ao semelhante, enquanto sua nascença é puramente digital, virtual. O mais intrigante de tudo é que poderíamos muito bem estar falando de um lançamento da Apple.

Isto tudo nos leva a algumas questões. Qual será o limite das máquinas? Seríamos reféns de nossas próprias criações? Qual será o contra golpe desta alavanca que criamos?

Houve uma época em que temíamos nossas criações com certeza de que elas nos trariam a danação — Frankestein e o Golem são os exemplos mitológicos disto. Há ainda quem se sinta desconfortável frente às tecnologias mais modernas, mas percorremos um caminho de verdadeiro apego às nossas alavancas. O marketing e o design nos acostumaram com a tecnologia a tal ponto de transformá-la em objeto de desejo. As máquinas nos confortam e tornam nossa vida mais fácil de uma maneira que é praticamente impossível não pensar nas Três Leis da Robótica de Isaac Asimov, princípios criados para controlar e limitar os comportamentos dos robôs que abordava em seus livros de ficção científica. Estas regras aplicam-se ao nosso dia a dia  — e provavelmente servirão ao nosso futuro.

  • 1ª Lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por inação, permitir que um ser humano sofra algum mal.
  • 2ª Lei: Um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a Primeira Lei.
  • 3ª Lei: Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira ou Segunda Leis.
Isaac Asimov (1920 —  1992) foi um escritor e bioquímico americano.  Praticamente um visionário em seu tempo, Asimov via na tecnologia uma poderosa aliada do homem, tornando a relação entre homem e máquina o principal tema de sua obra literária.

Isaac Asimov (1920 — 1992) foi um escritor e bioquímico americano. Praticamente um visionário em seu tempo, Asimov via na tecnologia uma poderosa aliada do homem, tornando a relação entre homem e máquina o principal tema de sua obra literária.

Fizemos de nossas ferramentas nossos companheiros. Confiamos que nos ajudarão, que tornarão nossa vida mais fácil e estarão lá nos esperando para o que der e vier. Resta saber se criaremos máquinas pacientes e tolerantes com as limitações humanas.

Paula Cruz

Paula Cruz

Paula Cruz é carioca e profissional em formação de design na UFRJ. Paralelamente aos estudos, constroi projetos autorais que unem design, texto e pesquisa, tais como livretos, cartazes e contos ilustrados.

Conteúdo relacionado

Comentários